sábado, 27 de abril de 2013

MST recebe Prêmio Guernica por luta pela reforma agrária.

Por Demarchi - Da Rede Brasil Atual.
http://1.bp.blogspot.com/_H1VyVbELf1M/TDTze_0ja-I/AAAAAAAADRQ/5HDKYDla398/s400/%7Be7f2831b-f252-4ccc-831c-842ce0d6183b%7D_bandeira+mst_500x312x0.jpg
São Paulo – O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) recebeu hoje (26) na Espanha o Prêmio Guernica para a Paz e Reconciliação. 

A cerimônia de entrega ocorreu na cidade de mesmo nome, localizada na região espanhola do País Basco e imortalizada pelos pincéis de Pablo Picasso após bombardeio nazista em 1937, durante a Guerra Civil. O prêmio relembra o aniversário da tragédia, que em 2013 completa 76 anos.

Cerca de 400 pessoas participaram da solenidade, entre autoridades municipais de Guernica, membros da Via Campesina da Espanha e simpatizantes da causa sem-terra brasileira no País Basco. Ao conceder o prêmio para o MST, o comitê de jurados afirmou que o movimento é uma organização que luta pela paz e pela reforma agrária no Brasil e que está há 30 anos resistindo de forma não violenta. “Já conquistou mais de 1.500 assentamentos legalizados, que reúnem 350 mil famílias em um total de 5 milhões de hectares.”

Membro da coordenação do MST, João Paulo Rodrigues recebeu o prêmio em nome do movimento e agradeceu a honraria ao lembrar dos espanhóis que morreram no ataque da força aérea alemã e da violência praticada pelo latifúndio contra os trabalhadores rurais em todo o mundo. “Queremos dedicar esse prêmio a todas as vítimas do bombardeio de Guernica, a todos os presos políticos do mundo que lutam por democracia e justiça, e a todos militantes que foram assassinados na luta pela reforma agrária.”

O Prêmio Guernica para a Paz e a Reconciliação foi estabelecido em 2005 durante as atividades que relembram o bombardeio da cidade espanhola pelos nazistas. Todos os anos, um prêmio é concedido a pessoas que trabalham pela paz e o outro é dedicado a grandes líderes, personalidades ou instituições que tenham lutado para transformar os conflitos e estabelecer as bases de futuros processos de reconciliação.

Com informações do MST

Nenhum comentário:

Postar um comentário